Como o Facebook quer assumir o controle de nossas vidas

Facebook

O Facebook já decidiu como serão as redes sociais do futuro, e nós já podemos ter uma boa ideia do que esperar da empresa nos próximos anos: uma companhia que não apenas está interessada em violar nossa privacidade, mas também, literalmente, controlar nossas vidas.

De acordo com Casey Newton, jornalista do site The Verge, se tem uma coisa que sempre pautou todos os objetivos da empresa é que, se o senso comum fala que pode não ser eticamente correto entrar em um determinado ramo de atividade, a empresa logo irá anunciar uma aquisição ou um novo serviço naquela área.

Isso foi uma verdade durante as aquisições do WhatsApp e do Instagram, da Oculus e, mais recentemente, no anúncio do Facebook Dating. O histórico da empresa deixa claro que ela não se preocupa com questões éticas sobre competição desleal e monopólio de serviços, e a única preocupação dos seus dirigentes é garantir que ela lidere todas as iniciativas de tecnologia possíveis.

E, nos últimos anos, alguns investimentos da empresa pareciam não fazer muito sentido considerando sua área de atuação: claro, comprar aplicativos como o WhatsApp e o Instagram é compreensível como um movimento para adquirir potenciais competidores antes de estarem fortalecidos, mas os mais de US$ 2 bilhões pagos pela empresa na Oculus sempre pareceram meio fora da realidade de negócios de uma rede social.

E, recentemente, outro anúncio que parece não fazer sentido ao pensarmos no plano de negócios padrão do Facebook foi feito: a aquisição da CTRL-Labs por um valor próximo de US$ 1 bilhão de dólares. A empresa é conhecida por desenvolver dispositivos neurais de interface homem-máquina, o que se encaixa exatamente naquele tipo de negócio que o Facebook tem feito nos últimos anos: entrar em uma área que aparentemente não tem nenhuma relação com o ramo de atividade base da companhia, mas que ao mesmo tempo faz surgir diversos dilemas éticos sobre como uma coisa pode se interligar à outra.

Mas todo o segredo chegou ao fim com o anúncio do Facebook Horizon. A partir dali, ficou claro como todas as peças se encaixavam para o próximo passo da companhia: garantir que passemos a maior parte possível de nosso tempo dentro de uma plataforma que pertence ao Facebook.

Quando um insider revelou que, desde 2016, o Facebook presenteava todas as novas contratações da Oculus com uma cópia do livro Jogador Número Um, a piada recorrente era de que a empresa tentaria transformar sua rede social em uma plataforma virtual igual ao OASIS. No livro, que se passa numa distopia, uma corporação controla o mundo com o OASIS, um mundo virtual onde as pessoas podem fazer qualquer coisa, como namorar, se divertir e até mesmo trabalhar, e no qual elas participam utilizando um óculos de realidade virtual.

Com o anúncio do Facebook Horizon, fica claro que a existência de algo como o OASIS está mais próxima da realidade — e o Facebook é exatamente o tipo de corporação que possui a rara mistura de aporte monetário com a total falta de preocupação sobre sua imagem pública capaz de transformar algo assim em realidade.

Assim como o OASIS do livro de Ernest Cline, o Horizon é um mundo virtual onde os usuários podem fazer o que quiserem lá dentro: interagir com outras pessoas, assistir a filmes, jogar jogos e até mesmo fazer compras. AInda que o Facebook esteja vendendo esse mundo como uma modernização do jogo Second Life, a ideia pode passar muito bem como uma modernização do próprio Facebook.

Como sabemos, o principal ativo do Facebook é atrair a atenção das pessoas: quanto mais tempo você passa lá dentro, mais sujeito estará a ver anúncios, que é uma das formas que a empresa monetiza a rede social. Por isso, ela tem feito de tudo para que você não precise sair de seu ambiente onilne para experienciar uma navegação completa na internet: é possível agora não apenas ver as atualizações de status e enviar mensagens para seus parentes e amigos, mas também ler os últimos artigos de seu site preferido e assistir aos últimos vídeos de seu YouTuber favorito, tudo sem precisar sair do Facebook.

Considerando essa “economia da atenção”, é fácil entender por que uma evolução natural do Facebook seria um mundo de realidade virtual. Afinal, um projeto desses é o ápice deste tipo de economia, pois você literalmente ficaria imerso em um produto do Facebook, fazendo de tudo dentro dessa plataforma — mesmo que resolva abrir outros sites ou jogar um jogo, você ainda estaria fazendo isso com um avatar que pertence ao Facebook em um mundo que é do Facebook, não apenas ficando sujeito a anúncios veiculados pela empresa como também aumentando o tempo médio que você passa lá dentro — que por sua vez é usado pelo Facebook para cobrar mais das empresas que querem anunciar por lá.

O maior obstáculo para esse tipo de objetivo seria a forma como controlar tudo: ainda que os headsets de RV da Oculus já possuam tecnologia para permitir uma imersão completa da mente do usuário dentro de um mundo virtual, ele ainda necessita de acessórios no mundo físico para se relacionar com este mundo criado pelo Facebook. Seja um controle de videogame, ou um combo de teclado e mouse, é necessário o uso de algum tipo de controle externo para se fazer exatamente aquilo que é o mais importante para o Facebook: o clique.

Facebook

Ainda que seja simples colocar um microfone nos headsets da Oculus para permitir que os usuários se comuniquem entre si neste mundo virtual, não há uma maneira confortável de se emular um clique através de comandos de voz, e milhares de pessoas amontoadas em um ambiente virtual gritando “compartilhar”,”curtir” e “comprar” a todo momento pode acabar criando uma cacofonia que torna a experiência de imersão desagradável e afaste os usuários do Horizon.

E é aí que entra a importância da aquisição da CTRL-Labs.

Durante a aquisição da empresa, Andrew Bosworth, responsável pelo departamento de hardware do Facebook, explicou que o objetivo com a compra seria o desenvolvimento de uma interface de “clique eletrônico”. Esse dispositivo seria uma espécie de pulseira que faria a leitura dos sinais elétricos enviados pelo seu corpo para o seu dedo sempre que você tentasse clicar em algo, ou apertar um botão. Esse dispositivo receberia esses sinais, os traduziria em um sinal elétrico específico para a comunicação com o Facebook e, a partir daí, você não teria mais que mexer um único dedo: só de pensar em curtir algo, a pulseira já entenderia o sinal enviado pelo cérebro e clicaria no botão “curtir” de uma postagem.

Pulseira CTRL-LABS

Protótipo da pulseira de clique eletrônico da CTRL-Labs (Imagem: Amelia Holowaty Krales / The Verge)

Quando Bosworth explicou isto no dia do anúncio, a ideia pareceu uma piada: afinal, quando pensamos no Facebook como ele é hoje, você normalmente já está navegando pela rede com o dedo em cima da tela (no caso do app para smartphones) ou com a mão no mouse (no caso da versão acessível via navegador de internet dos computadores), e clicar apenas com o pensamento parece o cúmulo da preguiça e exagero.

Só que basta enxergar que o objetivo final da empresa ficou muito mais claro com o Horizon do que antes: não apenas fazer que o Facebook seja uma das trinta abas abertas em nosso navegador ou um das centenas de apps existentes em nosso smartphone, mas o lugar de onde literalmente acessamos toda a internet, onde podemos ser a pessoa que desejamos (já que os avatares que usamos para navegar no Horizon são totalmente customizáveis) e transformar toda nossa existência na internet em uma grande navegação pelo Facebook.

Mark Zuckerberg

Mesmo com todos os escândalos dos últimos anos, boa parte dos usuários de internet do planeta ainda dispensam muito de sua atenção ao Facebook. Mas a companhia quer mais. Ela não se contenta com um pouco da sua atenção; quer ela toda, e que você literalmente se dedique integralmente — mente e corpo — ao seu próprio universo virtual.

Assim como muitas das distopias que só existiam em livros de ficção científica, o OASIS de Jogador Número Um está cada dia mais próximo da realidade. E, ainda que um mundo virtual como esse pode sim ser extremamente divertido para quem o utiliza, não podemos esquecer que ele só existe por um único motivo: porque uma corporação descobriu que é possível ganhar muito dinheiro com isso. E, quando essa corporação é o Facebook, é necessário ficar sempre com um pé atrás: se a empresa não teve escrúpulos de evitar que estrangeiros utilizassem sua rede social para intervir e manipular a opinião pública de um país porque estava lucrando com isso (como fica bem explícito no documentário Privacidade Hackeada), o que ela poderá fazer quando tiver acesso não apenas à nossa navegação pela internet, mas à nossas mentes e corpos como um todo?

Fonte: The Verge

Assine a Newsletter Events Promoter:


Bookplay
Bookplay - Marcelo Tas - Events Promoter - 720 x 1280
Revista Events Promoter
Socio Tasking
Socio Tasking
Categorias
Arquivos